Divergência de informação: o principal problema na Compatibilização de Projetos – Parte 2: Como mitigar os riscos causados pelas Divergências de Informação nos Projetos

Na parte 1 deste artigo, falamos sobre a causa das divergências de informação em projetos. Nesta parte, discutimos como podemos mitigar esse problema.
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

No post “Como surgem as Divergências de Informação nos Projetos”, vimos que fragamentação de informações, más práticas no uso do CAD 2D e Divergências entre modelos BIM são algumas das causas para as divergências de informação em projeto na construção.

Neste post, vamos mostrar alguns processos gerenciais, de comunicação e tecnológicos dos quais podemos tirar proveito para evitar que as divergências de projeto ocorram, economizando tempo e recursos durante o próprio projeto e posteriormente na execução da obra. Quanto antes as equipes de projeto se anteciparem, melhor será seu desempenho e produtividade.

Uso de plataformas de compatibilização, gerenciamento e controle de projetos

Já falamos em nosso e-book “Potencialize o seu negócio com plataforma de controle e gerenciamento de projetos” sobre como plataformas online de gerenciamento de projetos podem ajudar a impulsionar a produtividade e qualidade dos projetos na construção. A Construflow é uma delas, e oferece inúmeros recursos para melhorar a comunicação entre os envolvidos e evitar que problemas aconteçam ao longo do processo de compatibilização, levando a problemas na obra.

Alguns recursos que ajudam a mitigar as divergências de informações nos projetos são:

  • Módulo de apontamentos/issues de compatibilização de projetos que permitem registram num único lugar todas as ocorrências do projeto. Estes apontamentos também permitem a comunicação em tempo real entre projetistas, cliente e construtora, dando maior agilidade para a solução dos problemas;
Módulo de Compatibilização Construflow
Módulo de Compatibilização Construflow
  • Lista de tarefas a fazer, para que possam ser atribuídas aos responsáveis. Assim essas tarefas servem como check-list posteriormente para averiguar avanço e concordância com as intenções de projeto;
  • Visualizador 2D/3D de documentos e modelos BIM, que permitem acompanhar o andamento dos modelos sem a necessidade de instalar nenhum software, pois a plataforma opera diretamente do navegador de internet.
Visualizador BIM da Construflow
Visualizador BIM da Construflow

Dashboards gerenciais, que podem mostrar quantos problemas estão pendentes e permite também fazer filtros por tipo de problema e por responsável, localização, etc.

Dashboards gerenciais da Construflow
Dashboards gerenciais da Construflow

Como vimos na parte 1 “Como surgem as divergências de Informação nos projetos” , uma das principais causas de divergências é a fragmentação de informações entre diversas disciplinas, subdisciplinas ou até mesmo entre empresas diferentes que compartilham responsabilidades específicas sobre determinados pontos dos projetos.

Muitas vezes, o versionamento de arquivos pode ser um problema que gere projetos desatualizados entre si. Se em projetos CAD a informação deve estar consistente em todos os projetos, faz-se necessário o gerenciamento de documentos de projeto, versionamento e indicação de mudanças. Para isso, repositórios de arquivos CAD ou modelos BIM auxilia e muito a garantir que todos os participantes estejam trabalhando com as versões mais atualizadas de desenhos ou modelos.

Melhor ainda se os participantes puderem sincronizar suas versões de documentos em sua rede interna ao repositório com armazenamento em nuvem. Desta forma, todos os documentos estarão sempre atualizados e todos podem receber notificações sobre novos documentos e versões.

Comparação entre versões / revisões de projeto

Quando recebemos uma nova versão de projeto de outras disciplinas, seja em CAD ou se recebemos uma nova versão de um modelo BIM, pode ser difícil identificar o que foi alterado com precisão nos desenhos ou modelos. É praticamente um “Jogo dos 7 erros” comparar duas versões de um mesmo projeto e uma tarefa demorada.

Para isso, é possível utilizar features de comparação que algumas soluções CAD possuem e que facilitam identificar de forma rápida e visual o que foi alterado de uma versão para a mais atual.

Recurso de comparação entre versões diferentes de um mesmo desenho CAD 2D. Em verde, elementos adicionados e em vermelho, itens removidos
Recurso de comparação entre versões diferentes de um mesmo desenho CAD 2D. Em verde, elementos adicionados e em vermelho, itens removidos. Fonte: Engineering.com

Para projetos feitos utilizando o BIM, também existem esses recursos de comparação de modelos que podem ser utilizados para comparar versões diferentes. Podem ser visualizados elementos que foram adicionados, removidos, mudados de posição ou até mesmo elementos que tiveram suas propriedades alteradas.

Exemplo de visualização de uma comparação entre versões de um mesmo modelo BIM
Legenda do exemplo de visualização de uma comparação entre versões de um mesmo modelo BIM
Exemplo de visualização de uma comparação entre versões de um mesmo modelo BIM. Fonte: adaptado de VDC Experts BIM Blog

Este tipo de recurso complementa o controle de versionamento, fazendo com que todos possam estar atentos Às principais mudanças ocorridas no projeto, que possam gerar conflitos e que necessitem de maior atenção na hora de revisar o trabalho ou absorver mudanças acordadas entre disciplinas.

Boas práticas e diretrizes para entregáveis CAD e BIM

Existem alguns recursos tecnólogicos e processuais relacionados ao CAD que podem auxiliar a mitigar os problemas já abordados no último artigo. Vamos ver alguns deles:

XREF (External Reference) – ferramenta que permite referenciar ou “linkar” um arquivo/desenho no outro. Apesar de ser uma ferramenta bastante utilizada por usuários de CAD, é desconhecida ou ignorada em muitas empresas e escritórios. O XREF é um recurso encontrado em diversos softwares CAD (AutoCAD, Microstation, BricsCAD, ZWCAD, pra citar alguns). A principal vantagem em utilizar este recurso é a de manter uma bidirecionalidade entre as referências de outras disciplinas (versionadas adequadamente) e os desenhos de trabalho. Alguns casos de uso práticos para XREF:

  • Referência de alinhamento entre pavimentos
  • Referência para compatibilização entre disciplinas e também para representação em documentações
Utilização de Referências Externas em software CAD
Utilização de Referências Externas em software CAD. Fonte: Blog Qualificad

Sheet Sets – Outro recurso subestimado por muitos profissionais, mas extremamente poderoso. Permite gerenciar muitos arquivos de desenhos simultâneamente, inclusive permitindo ter algumas funcionalidades de montagem de prancha “arrasta e solta”, similar ao que os softwares BIM permitem fazer. É um recurso excelente para usos em grandes projetos, que geram um volume de desenhos muito alto e que devem ser gerenciados com eficiência.

Uso de Sheet Sets em software CAD para organização de documentos
Uso de Sheet Sets em software CAD para organização de documentos. Fonte: Blog JTB World

Plano de Execução BIM – Definição de escopos de projeto e modelagem BIM

Na parte 1 deste artigo, vimos que, devido à segmentação de algumas disciplinas entre diversas outras e às vezes também empresas diferentes durante o projeto, alguns elementos de projeto têm responsabilidade compartilhada. Citamos o exemplo do projeto de escadas, que tem uma definição de altura e profundidade dos degraus pela Arquitetura, mas a definição de espessura estrutural e detalhamento feita pela disciplina de Estruturas. Sendo assim, é preciso definir processos e entregáveis claros para que cada disciplina saiba exatamente quais informações as outras precisam, em que momento e de que maneira essas informações devem ser passadas.

Um bom Plano de Execução BIM (PEB) deve ser elaborado em conjunto com todas as disciplinas para que estejam de acordo desde o início do projetos com essas diretrizes. E parte do PEB é responsável por definição a ordem e requisitos de modelagem. Essa parte é a Matriz de Definição de Escopo (ou Matriz de Modelagem BIM), também chamada de Matriz de Progressão de Modelos, que registram quais são as definições projetuais que cada disciplina deve entregar relacionadas a um prazo ou etapa do projeto. Exemplo: A Arquitetura deve definir os ambientes e layout em planta, altura mínima de pé-direito (com ou sem forro) para lançamento do esqueleto estrutural, que por sua vez deverá pré-dimensionar os elementos estruturais, fornecendo uma planta de formas para as demais disciplinas. Em paralelo, as disciplinas de hidráulica e elétrica precisam dos inputs de layout da Arquitetura para desenvolverem pontos de consumo (água e elétrica) e também de descarte. Sendo assim, é recomendado que essas necessidades sejam documentadas e planejadas para que todos estejam cientes do que deve ser modelado, por quem e quando esta modelagem deve ser entregue.

O BIM Manager José Vargas ressalta a importância dessa organização para garantir que nenhum participante do projeto precise modelar nada sem ser necessário a um determinado uso BIM ou que outro participante precise em determinada fase de projeto. “Não adianta eu entregar todos elementos modelados logo de cara, por que isso pode gerar retrabalho caso haja mudanças de layout de projeto ou de conceito. A equipe de coordenação de projetos deve antecipar e planejar a modelagem junto com os projetistas, definindo o que será modelado, quando e para que propósito”, conta Vargas. Dessa forma, as divergências entre modelos BIM tendem a não acontecer, pois todos sabem o que deverá ser acrescentado neles em cada etapa do projeto.

Exemplos de definições de escopo de modelagem por tipo de elemento, considerando fase de projeto, responsável(is) e requisitos de informação dos modelos
Exemplos de Matrizes de Definição de Escopo de modelagem por tipo de elementos, considerando fase de projeto, responsável(is) e requisitos de informação dos modelos. Fonte: cedido por José Vargas.

Tendo um planejamento de como a modelagem será executada e quem é responsável por cada parte do modelo e quais os níveis de detalhamento de informações devem ser entregues, é muito mais provável que hajam menos divergências de projeto e informação.

Conclusão

Vimos que as causas das divergências ocorrem principalmente por gestão de documentação (versionamento de bases de disciplinas) e também pela falta de um processo coordenado de comunicação. Processos organizacionais de tecnologias utilizadas em projetos CAD ou BIM e o uso de plataformas de gerenciamento e compatibilização de projetos como a Construflow podem ajudar a mitigar esses problemas.

Tudo está muito relacionado a antecipar os acontecimentos e tarefas de projeto em ações de planejamento que respondam a estas perguntas: 

  • Como a comunicação será feita? Via plataforma web?
  • Como será o regime de entregáveis? O que cada entregável deve conter a nível de informação nos objetos BIM?
  • Como o versionamento de documentos, desenhos e modelos BIM será feito?
  • O que mudou de uma versão para a outra?
  • Estamos utilizando as versões mais atualizadas dos projetos?

E você? Tem alguma outra técnica, processo ou recurso tecnológico que utiliza para mitigar esse problema? Conta pra gente. Nos acompanhe pelas redes sociais e assista nossos conteúdos.

E aproveite para baixar nossos e-books “ESTUDO SOBRE AS INCONSISTÊNCIAS ORIGINÁRIAS DOS PROJETOS” e “POTENCIALIZE O SEU NEGÓCIO COM PLATAFORMA DE CONTROLE E GERENCIAMENTO DE PROJETOS” para saber mais sobre como utilizar mais tecnologias a favor do seu negócio.